You are currently browsing the tag archive for the ‘Sociedade’ tag.

A.S.A.E. – Autoridade de Segurança Alimentar e Económica

Demorará tempo, por certo, a reenquadrar a história contemporânea portuguesa, à luz desta instituição. Mas, para o português comum e anónimo, é já claro: há um Portugal a.A.* e um outro d.A.**.

[a atribuição desta distinção a uma personalidade jurídica julgo que não carece de justificação adicional]

* antes da A.S.A.E.                     ** depois da A.S.A.E.

As mulheres do Partido Socialista querem acabar com a desigualdade entre sexos na Igreja Católica e apontam a virgindade de Maria como um dos exemplos da humilhação da Igreja sobre as mulheres portuguesas.

in Rádio Clube Português

O que seria se algumas pessoas tivessem a liberdade de fazer tudo o que gostariam? É retórica: a história já nos deu essa resposta.

Depois dos multiusos e das rotundas, o que está a dar são os centros interpretativos.

Olarila.

lp.jpg

Nível: médio

Não, não estou a sugerir o silenciamento do programa. É só para dar conta que hoje, no programa apresentado por Fátima Campos Ferreira, será debatido o incidente ocorrido entre o monarca espanhol, Juan Carlos,  e Hugo Chávez, na recente cimeira Ibero-Americana.

Depois de tantos disparates, Hugo Chávez já merecia a distinção. Vamos lá ver é se não desviam toda a atenção para a realeza.

É admirável o empenho com que alguns não crentes procuram demonstrar aos católicos que não têm qualquer razão para ter . Na blogosfera e fora dela. Chega a ser enternecedor.

rosto.jpg

… ou o Ocidente resignado?

(desculpem, mas não resisti a publicá-lo)

Parece-me que houve uma reacção hipócrita de muita gente que não consulta a sua própria consciência.

José Saramago, aqui.

Duas notas: 

  • É precisamente pelo frequente arrogar de uma certa superioridade moral que Saramago, como Grass, estão ainda mais sujeitos a estas reacções. E isso, a meu ver, não tem nada de hipócrita. É assim mesmo.

  • Parece haver uma tendência para, quando alguém se distingue culturalmente, o colocar num patamar ético e moral superior, muitas das vezes inatacável. Sem qualquer justificação, conforme a história da Humanidade por diversas vezes o demonstrou.