A possibilidade da perda da maioria do capital nas SAD´s pelos clubes é um tema ainda não discutido em Portugal. Ao que se sabe, o Porto já não tem essa maioria na SAD, mas foi um processo quase “clandestino”, que passou despercebido do grande público.

Filipe Soares Franco (FSF), honra lhe seja feita, há muito defende que os clubes devem ter participações minoritárias nas SAD´s. Também disse que teriam de ser os sócios do Sporting a decidir sobre essa matéria.

Por isso, não me parece bem que apresente à votação dos sócios uma medida que é bem mais que uma “simples” reestruturação financeira. Está, também, em causa a passagem do controlo da SAD para as mãos de terceiros.

Teria sido, a meu ver, muito mais sensato e transparente discutir previamente esta última questão, antes de avançar para uma revisão do Project Finance desta natureza.

* Recebido por e-mail.

Nos últimos anos, o reconhecido fervor que caracterizava os adeptos sportinguistas tem sido “resfriado”. Apesar da conquista de alguns troféus pelo futebol, como recentemente a Taça de Portugal – a segunda em dois anos – o afastamento dos adeptos do Clube tem sido uma evidência. Falta um novo título de campeão nacional, dirão alguns. Talvez. Julgo, porém, que as razões são mais profundas.

Durante a “travessia do deserto”, os célebres 17 anos sem conquistar o título de campeão, nem por isso o Clube perdeu fôlego e deixou de ter a “melhor massa associativa do mundo”, como muitas vezes era apelidada, pela forma entusiástica como apoiava o Clube, pese embora tão poucos resultados desportivos que o justificassem.

Acabou por ser com o “Projecto Roquete”, que redefiniu o Clube à luz de um ambicioso (talvez demasiado) projecto empresarial, que os sportinguistas se viram confrontados com uma realidade em que não se soube conciliar o discurso racional da linguagem empresarial, com as emoções que são o principal serviço que qualquer clube desportivo tem de prestar aos seus associados. Apesar da quebra do “jejum”, com a conquista de dois títulos de campeão nacional, o afastamento de adeptos do clube foi-se acentuando.

A par disto, e como consequência lógica desse discurso estritamente racional, deu-se um progressivo abandono do ecletismo, muito mais que uma mera palavra para os sócios do Sporting, autêntica imagem de marca do Clube.

O Projecto inicialmente delineado, que pretendia tornar o Sporting um clube pujante a autosuficiente, fracassou por circunstâncias várias. As receitas esperadas nunca se concretizaram e os custos do projecto cresceram à medida que, nos últimos anos, as condições de acesso ao financiamento evoluiram. Este é o ponto de chegada à Assembleia Geral de hoje à noite.

Completamente asfixiado pelo serviço da dívida – 17 milhões de euros de juros, só no último ano – os sócios são chamados a votar e escolher. E, das duas, uma: 1. ou assumem que o Sporting não tem condições para lutar com os rivais directos, Benfica e Porto, enquanto não resolver a amortização do passivo, o que, nas actuais circunstâncias, ninguém arrisca a dizer quando acontecerá; ou 2. votam favoravelmente a proposta da Direcção, passando a exigir desta outras performances desportivas mas, muito provavelmente, entregando a prazo o controlo da SAD a terceiros.

De facto, não há uma solução óptima. E, por isso, é que se espera uma Assembleia bem quente. Espero que dentro dos limites que a grandeza e o passado do Sporting exigem.

Álvaro Parente estreia-se no campeonato GP2, com vitória surpreendente no circuito da Catalunha, onde decorre a primeira prova desta época.

Trata-se, muito provavelmente, do próximo português a conquistar um lugar na ambicionada F1. Quem sabe, já no próximo ano.

A acompanhar com atenção.

Depois do anúncio da candidatura de Patinha Antão à presidência do PSD, não vejo qualquer motivo para Ribau Esteves conter-se e não considerar este o momento adequado para avançar, também, à conquista da liderança do partido.

Afinal de contas, quem quer “uma gaja boa com’o milho, tem que namorá-la!”, não é assim?

Sérgio Silva detido pela Policia Judiciária após denúncia apresentada pelo Boavista.

O tal que tinha os cheques, mas não eram para mostrar. Off-shore. Esperemos que não seja o princípio do fim para o centenário Boavista. Seria o segundo clube histórico da cidade do Porto, depois do Salgueiros, a ter um final abrupto, em consequência de actos de gestão desastrosos… ou pior, mais grave.

Que, para além dos habituais e insuportáveis cálculos políticos, dos timmings, dos notáveis e das bases e mais o diabo que os carregue a todos, alguém nos vai dizer o que o partido pensa do e para o país?

Há, ainda, algo que justifique a existência deste partido? Se sim, digam-no rapidamente, por favor. Ou calem-se para sempre.

Ah, e se for para repetir a ladainha do partido de centro, da social-democracia, blá blá blá, escusam de se incomodar. Para isso, já nos chega o Partido Socialista. O que precisamos é de uma ALTERNATIVA.

Passagem do filme Lost in translation.

Cinco excelentes razões para regressar!

O papel da sapienza e da honestidade no debate intelectual

Quando se fecham a Bento XVI as portas de uma universidade, impedindo-o de falar, é sinal de que alguns praticam tudo o que no passado criticaram à Igreja. E ainda se orgulham disso…O tempo dá por vezes razão aos que parecem não a ter mais depressa do que os próprios se atreveriam a esperar. Há uma semana, nas páginas do PÚBLICO, Rui Tavares atacava Vasco Pulido Valente por este ter sugerido, na sua expressão, que “a Igreja é capaz de ter de viver novos tempos de clandestinidade”. O que era obviamente ridículo. E impensável.
Nem uma semana passou sobre esse texto e acabamos de assistir não à “passagem à clandestinidade”, mas a algo igualmente impensável: em Roma, na sua prestigiosa Universidade, crismada “La Sapienza” (A Sabedoria), um grupo de professores mobilizou um protesto que conseguiu levar o Papa Bento XVI a declinar o convite para falar na sessão inaugural do ano lectivo. Porquê? Porque consideraram que o convite a um dos grandes intelectuais europeus da actualidade – uma qualidade que só por cegueira se pode negar ao antigo cardeal Ratzinger – era “incongruente” com a laicidade da universidade. Ou seja, um cidadão de Roma e do mundo, um bispo que se distinguir como académico, viu serem-lhe barradas as portas do que devia ser um templo da ciência em nome de um princípio sectário e de um preconceito que levou um grupo de cientistas a deturparem o que tinha dito num passado já longínquo. Na sua arrogância consideraram mesmo o homem que manteve uma polémica aberta e elevada com Habermas como sendo “intelectualmente inconsistente”.
Ernesto Galli della Loggia, editorialista do Corriere de la Sera, ele mesmo um defensor dos princípios da laicidade, escrevia ontem que o gesto dos professores, poucos mas com responsabilidades, traduzia “uma laicidade oportunista, alimentada por um cientismo patético, arrogante na sua radicalidade cega”. Uma laicidade que não hesitou em seguir o mesmo caminho dos islamitas radicais que tresleram o famoso discurso de Ratisbona, deturpando-o e descontextualizando-o, para atacarem Bento XVI. E Giorgio Israel, um professor de História da Matemática que se distanciou dos seus colegas, explicou que estes tinham construído o seu caso a partir de “estilhaços de um discurso” realizado pelo então cardeal Ratzinger em Parma há 18 anos. O processo foi muito semelhante ao de Ratisbona: em vez de notarem que o Papa citava outrem para a seguir marcar as suas distâncias, pegaram nas palavras do autor citado – em Parma o filósofo das ciências Paul K. Feyerabend – para, atribuindo-as a Bento XVI, considerarem que este dava razão à Igreja na sua querela com Galileu. O sentido do discurso de Parma, prosseguia o mesmo Giorgio Israel, era exactamente o contrário da caricatura que esteve na origem do protesto: afirmar que “a fé não cresce a partir do ressentimento e da recusa da modernidade”.

Mas que universidade é esta, que cidade é esta, que Europa é esta, que fecha as portas a alguém como Bento XVI, para mais com base numa manipulação? Não é seguramente a que celebra não apenas a tolerância, mas a divergência, a discussão em busca da verdade. E que por isso não aceitou sequer ouvir o que o bispo de Roma lhe tinha para dizer. E que já sabemos o que era, pois o Vaticano já divulgou o discurso.
Como este Papa nos tem habituado, era, é, um grande texto, uma extraordinária aula onde o teólogo e o professor, unidos num só, discorrem sobre o papel da Igreja e o da universidade, que, “na sua liberdade face a qualquer autoridade política e eclesiástica, encontra a sua vocação particular, essencial para a sociedade moderna”, a qual necessita de instituições autónomas de interesses ou lealdades particulares, antes dedicadas à “busca da verdade”.
Evoluindo entre referências modernas (John Ralls e Habermas) e clássicas (com destaque para o “pouco devoto” Sócrates, que elogia e defende), socorrendo-se de Santo Agostinho e S. Tomas de Aquino, Bento XVI escreveu um texto que, devemos admiti-lo, seria uma afronta para os seus detractores. Por possuir a abertura e a universalidade que são o oposto do seu sectarismo anticlerical. Por defender que “o perigo do mundo ocidental é que o homem, obcecado pela grandeza do seu saber e do seu poder, esqueça o problema da verdade. E isto significa que a razão, no fim do dia, acabará por se vergar às pressões dos interesses e do utilitarismo, perdendo a capacidade de reconhecer a verdade como critério único”.
E alcançar a verdade implica questionar – mas não ignorar – as certezas de hoje. E um Papa, na universidade, não vem para “impor a fé de cima, pois esta é antes do mais um dom da liberdade”.

No tribunal de “La Sapienza” foi um Papa que quiseram colocar no lugar de Galileu, e foram cientistas que fizaram o papel do acusador de então, o cardeal Roberto Bellarmino, porventura mostrando ainda menos compaixão.
Mas nisso, infelizmente, não andam sozinhos. Já repararam como, entre nós, vai por aí um debate sobre Pacheco Pereira e Vasco Pulido Valente terem chamado “fascista” a Sócrates, o que nenhum deles chamou. Como, de resto, nem o próprio António Barreto chamou, pois o seu raciocínio completo é: “Não sei se Sócrates é fascista. Não me parece, mas, sinceramente, não sei. De qualquer modo, o importante não está aí. O que ele não suporta é a independência dos outros, das pessoas, das organizações, das empresas ou das instituições.”
Como é mais sexy discutir o “fascismo”, ilude-se o que o próprio autor considera ser “o importante” – o que é mais depressa chicana política do que debate intelectual, perdoe-se esta franqueza, que só pode ser tomada pelo que é: um desafio a recusar o mau exemplo de “La Sapienza”.

Crónica de José Manuel Fernandes, Jornal Público de 2008-01-17 (sem link)
2006_03-04.jpg
 Calendário Lavazza 2006
Fotografia: Ellen Von Unwerth

Boa semana!

Cabo-verdiana quer nacionalidade mas “mau português” impede-a

Tomasia tem 48 anos e vive há oito em Portugal com o marido e os filhos

Tomasia da Silva Costa vive em Portugal desde 2000 e quer ser portuguesa. Mas o facto de não saber ler nem escrever dificulta a sua capacidade de passar no exame de português, um dos requisitos obrigatórios para aceder à nacionalidade.

Porque é que não a deixam fazer o exame de Português do ensino básico? Aquele em que os alunos passam de qualquer maneira, desde que se perceba, minimamente, a ideia que pretendem transmitir, mesmo que o texto esteja carregado de erros? Ah… não tem interesse… não conta para as estatísticas… hum…

E o Sr. Madaíl? Não terá interesse que a Tomasia dê uma perninha na Selecção Nacional? Como? Já tem 48 anos… pois é! Chatice.

ryanair.jpg

Em 2008, no Ritual Café, todas as segundas-feiras serão tão boas quanto esta(s)! São os meus votos.

[Na imagem, o Calendário da Ryanair, envolto em polémica por acção do politicamente correcto, a Inquisição do século XXI. A história resumida, aqui.]