Nos últimos anos, o reconhecido fervor que caracterizava os adeptos sportinguistas tem sido “resfriado”. Apesar da conquista de alguns troféus pelo futebol, como recentemente a Taça de Portugal – a segunda em dois anos – o afastamento dos adeptos do Clube tem sido uma evidência. Falta um novo título de campeão nacional, dirão alguns. Talvez. Julgo, porém, que as razões são mais profundas.

Durante a “travessia do deserto”, os célebres 17 anos sem conquistar o título de campeão, nem por isso o Clube perdeu fôlego e deixou de ter a “melhor massa associativa do mundo”, como muitas vezes era apelidada, pela forma entusiástica como apoiava o Clube, pese embora tão poucos resultados desportivos que o justificassem.

Acabou por ser com o “Projecto Roquete”, que redefiniu o Clube à luz de um ambicioso (talvez demasiado) projecto empresarial, que os sportinguistas se viram confrontados com uma realidade em que não se soube conciliar o discurso racional da linguagem empresarial, com as emoções que são o principal serviço que qualquer clube desportivo tem de prestar aos seus associados. Apesar da quebra do “jejum”, com a conquista de dois títulos de campeão nacional, o afastamento de adeptos do clube foi-se acentuando.

A par disto, e como consequência lógica desse discurso estritamente racional, deu-se um progressivo abandono do ecletismo, muito mais que uma mera palavra para os sócios do Sporting, autêntica imagem de marca do Clube.

O Projecto inicialmente delineado, que pretendia tornar o Sporting um clube pujante a autosuficiente, fracassou por circunstâncias várias. As receitas esperadas nunca se concretizaram e os custos do projecto cresceram à medida que, nos últimos anos, as condições de acesso ao financiamento evoluiram. Este é o ponto de chegada à Assembleia Geral de hoje à noite.

Completamente asfixiado pelo serviço da dívida – 17 milhões de euros de juros, só no último ano – os sócios são chamados a votar e escolher. E, das duas, uma: 1. ou assumem que o Sporting não tem condições para lutar com os rivais directos, Benfica e Porto, enquanto não resolver a amortização do passivo, o que, nas actuais circunstâncias, ninguém arrisca a dizer quando acontecerá; ou 2. votam favoravelmente a proposta da Direcção, passando a exigir desta outras performances desportivas mas, muito provavelmente, entregando a prazo o controlo da SAD a terceiros.

De facto, não há uma solução óptima. E, por isso, é que se espera uma Assembleia bem quente. Espero que dentro dos limites que a grandeza e o passado do Sporting exigem.