Já as vítimas, familiares e todos aqueles que lutam em África, quase sempre com meios escassos, contra o flagelo da Sida, desconfio que nunca perdoarão esta atitude do Arcebispo de Maputo. E com toda a razão.

Via Quarta República.